quarta-feira, 16 de março de 2011

kampai!

Sabado, meu chefe reuniu os funcionários para uma confraternização de apresentação. 
A reunião foi em um Yakitori. Fiquei com medo de não gostar da comida.



A esquerda, Wakazono san (dono da empreiteira). Os dois, à direita, Ishii san e o outro ainda não sei o nome... os dois são kachoo. 

Momento do kampai! (brinde).
Eu e Celia brindamos com chá.

Igaki san com a faixa de garçom. Ele foi o escolhido para servir a mesa. Bebeu tanto que não sei como conseguiu acertar os pedidos. 

Tinha muitas crianças e como eu adoro fotografar essas mini-pessoinhas, tirei muuuitas fotos.

As mulheres ficaram do outro lado, com as crianças. Eu queria ficar com elas, mas meu chefe pediu para que eu, Celia e Tatiane ficassemos com eles.

Celia, eu e Ishii san - kachoo da minha seção. Ele fala um pouco de portugues e conversamos bastante, na linguagem do meio-japones, meio-portugues. 
Suguihara san, Celia e eu. O Suguihara san estava meio deslocado no canto da mesa, entao falei pra Celia "vamos enturmar ele". Com o tempo, ele foi se soltando e acabou rindo muito com a gente. Ele tem um problema na perna que o faz mancar. Levantou diversas vezes pra buscar um pratinho que esqueceram de me trazer,  duas cocas-colas que não me ouviram pedir. A Tati falou "coitado, voce fazer ele levantar". Mas ele ficou feliz em me ajudar e não me deixou cometer gafes, afinal foi a primeira vez que fui a um Yakitori.

Momento de passar a faixa. O outro "garçom" é filho de pai japones e mãe brasileira. Sentamos na mesma mesa e quando fiz uma pergunta, ele disse "não falo portugues". Parece eu falando "nihongo wakaranai". Sabe aquelas frases que a gente decora?

Marina - peruana - com o kachoo (puxa, não sei o nome dele) que faz as entrevistas. Tão novo e já é um chefão. É comum jovens se tornarem chefes. No Japão não importa a idade, mas sim a hierarquia.

Cozinha do Yakitori. Amei o lugar! Alegre, barulhento, animado.

Meu empregador... Parece ser uma pessoa legal. Me contratou por telefone e quando nos encontramos, disse que o kachoo me aprovou sem ao menos me ver e que era mezurashii (raro). Espero não decepciona-los.

Chefe da Marina. Ao lado dele, Tatiane, uma brasileira que estudou a vida toda em escola japonesa.
Essa menina é uma chinesa e acho que está com o namorado. Ela é muito bonita.


A reserva era das 17:00 às 19:00, mas acabamos saindo às 20:00. Adorei a comida, o lugar, as pessoas. Meu chefe reuniu o pessoal para que nos conhecessemos e o que mais gostei é que ele mudava as pessoas de lugar para que todo mundo conversasse. Os chefes iam de mesa em mesa. Eu queria ficar com as mulheres, mas fiquei com dó de deixar o Suguihara sozinho... Fui uma boba, porque o Wakazono san ficou  com ele. 
Na hora de ir embora, Marina deu carona para mim, Celia e duas japonesas - mãe e filha.
Apesar do susto de sexta feira, o jantar foi muito legal e prometi levar o Lucas e o Beto lá. O mais dificil vai ser convencer o Beto a sentar nas almofadas.

2 comentários:

  1. olhando assim dá vontade de voltar pra trabalhar nessa fábrica!

    ResponderExcluir
  2. Aman...
    No refeitorio tem sofas com tv!
    To gostando do trabalho, pena que deram 3 dias de folga por causa do terremoto

    ResponderExcluir