sábado, 10 de novembro de 2012

Calam-se as Vozes


Texto publicado no Facebook 


"Por que quando a gente fica doente, fica com cara de doente?
Por que comprimido tem gosto amargo e parece que é do tamanho de uma melancia quando a gente engole?
Normalmente minha voz é de taquara rachada, com gripe parece taquara furada.
Dormi das 5 da manhã até as 5 da tarde, acordei suando igual porco assando no espeto, parecendo um zumbi drogado, com o cabelo estilo dr. Loyd, ainda bem que o Beto não tá em casa, porque nem com todo o amor do mundo, ele ia me achar bonita.
Li na bula, que se tomar o remédio, não pode dirigir nem operar máquinas, porque dá sonolência; pode dar problema gastrointestinal; cefaléia; urticária e outras coisas assustadoras. A idéia é te curar da gripe, pra você comprar remédio pros efeitos colaterais depois??
To digitando com um dedo só porque se tá dificil acompanhar e controlar um dedo, imagina dois, que é o que uso normalmente...
Meus companheiros: caixa de lenço de papel ( viu que bonitinho o meu box? Cabem duas caixas e tem lixeirinha embutida), chá e remédio. Queria uma canja de galinha, mas se eu for pro fogão, é capaz da galinha sair correndo, porque do jeito que eu to emzubizada, não ia conseguir depenar a bichinha. Detalhe: os filés de frango estão no freezer, congelados.


...


EMZUBIZADA?? Além de gripada, virei analfabeta? "

...



Eu não caio de cama quando fico doente, nunca! Quando sinto que vou ficar resfriada, começo a tomar chá bem quente, banho bem quentinho e pensamento positivo. Limpo a casa, lavo roupas, saio pra passear. Não tomo remédio, mas dessa vez, não sei por que me deixei abater, talvez porque eu queira um pouco de mimo. Fazer um charminho, sei lá. A verdade é que isso me custou muito caro. Perdi uma noite de trabalho e nessa época de crise mundial, perder um dia de trabalho é complicado, imagina uma noite, que tem adicionais extras; usei caixas e caixas de lenço de papel; tomei todos os variáveis de chá que peguei do Saizerya e do Joyfull: caramelo, maçã, morango, darjeeling (?), camomila, chinese tea...
Eu já falei que 'coleciono' saquinhos de chá que servem nos restaurantes? Ué, eu pago pelo drink bar, então posso pegar não é? E faço as pessoas pegarem pra mim.
Sexta feira, cheguei às 5 da manhã, tomei banho e dormi até às 9:30 da manhã seguinte. Quase 30 horas dormindo. Quase 30 horas desperdiçadas numa cama. Eu precisava descansar, eu sei, mas perder tantas horas dormindo não faz o meu estilo. Costumo dizer que eu descanso na rua, passeando.
Levantei da cama às 10 hs, Lucas fez almoço e passei o dia vendo seriado; tentei fazer minhas bijouterias; tentei costurar; fiz as unhas - eba! consegui fazer alguma coisa!
Eu queria muito escrever no blog, postar umas fotos, mas acho que vai ficar pra amanhã.
Conheci uma pessoa muito legal pelo Youtube, a Flávia (Fla 1982) e ela está fazendo um projeto muito legal, o 30 coisas pra fazer antes dos 30, ela fez uma lista de coisas que gostaria de fazer antes de completar 30 anos, filmando e publicando o vídeo a cada realização. Pensei em fazer o mesmo, mas como já passei dos 30 (snif... foi a época em que mais me curti) e dos 40 (é... a fila anda), 50 coisas pra fazer antes dos 50 não vai ser uma tarefa fácil. Quem sabe se eu desejar coisas como, fazer uma omelete super especial de queijo ou colorir um Livro de Colorir, fique mais 'realizável', mas que graça teria?
Eu adoro o mês do meu aniversário - Novembro, então estou pensando em fazer algo relacionado com ele. Ainda não sei bem ao certo o que fazer, mas as idéias vão fluindo e espero que vocês gostem.

Uma das idéias é essa, tentem adivinhar o que vem a seguir!



Ainda sem voz...



  



domingo, 21 de outubro de 2012

Quinta Semana

A temporada zumbi acabou.
Ficar sozinha me fez bem, até perceber que eu estava me acostumando a ficar bem. Ficar sozinha me trouxe momentos de relaxamento, tranquilidade, serenidade. Claro que fiquei com medo! Mas fui aprendendo a controlar, deixando luzes acesas, não esquecendo de trancar portas e janelas. Me alimentei direitinho, pelo menos nas duas primeiras semanas, rs.
Eu era muito controladora, medrosa, preocupada. Exigia que o Beto e o Lucas me ligassem toda vez que saíam. Eu queria saber onde estavam e com quem estavam, não por ciúmes, mas medo de acontecer alguma coisa e eu não saber onde estavam.
Quem mora no Japão, DEVE se preocupar com terremotos, tufões e maremotos.
Então aproveitei esse tempo em que não precisava ficar grudada no celular pra relaxar. Se acontecesse esse terremoto que todos esperam e temem, eles estariam a salvo no Brasil.
O ser humano tem capacidade de se adaptar a qualquer lugar e situação. E se acomodar. E aceitar.
Eu estava me acostumando a chegar em casa e encontrar tudo no lugar, a ver meus seriados e ter pleno controle sobre a TV. No post anterior, listei 10 coisas boas de morar sozinha, não fui muito convincente, mas a verdade é que nunca fiquei sozinha por tanto tempo. Pode ser bom morar sozinha e não viver sozinha. Eu não tenho amigos de farra, aqueles que te convidam pra toda e qualquer festa; aqueles que se lembram de convidar você para toda viagem de férias; aqueles amigos que você convidaria pra serem seus padrinhos de casamento. Pelo menos aqui no Japão, não.
A vida de estrangeiros é meio superficial, acho. Meio fantasiosa. Acredito em amizades verdadeiras, mas pouco duradouras. Tive experiencias bem amargas, por isso me fechei um pouco. Quando comecei a abrir o coração, levei umas facadas que doeram! Mas isso é conversa pra outra hora.
Sexta feira trabalhei normalmente - ou quase. Na saída, liguei para o Beto pra saber se já tinham chegado em Osaka. Combinei de ir buscá-los em Kariya, junto com a Lika.
Quando os dois chegaram em casa, eu estava no hall esperando. Beto me abraçou e me deu um beijo. Foi meio estranho, meio sem jeito.
O Lucas me abraçou e me ergueu e me beijou e me carregou até a sala. Perguntei se tinha sentido a minha falta, ele disse SSSIIIMMM.
Foi falando e tirando as coisas da mochila. Os amigos o estavam esperando no parque e ele foi pra lá, matar a saudade. Voltou de madrugada e pela primeira vez não fiquei grudada no celular e não esperei ele voltar, acordada.
Acho que estou superando a Síndrome do Ninho Vazio, um dos sintomas da Menopausa.
E assim, termino o Diário das Cinco Semanas.
Não sei se tudo vai voltar ao normal e nem sei se quero que volte, mas com certeza, aprendi muito nessas 'férias forçadas'.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Quarta semana

Continuando a Semana Zumbi, não fiz nada ou não me lembro de ter feito nada, a não ser ficar em frente ao computador vendo seriados online e comendo besteiras - chocolate, bolacha, comida instantanea...
Fiquei pensando... Como deve ser triste morar sozinha! Chegar em casa e encontrar silencio, luzes apagadas, casa bagunçada, roupas espalhadas, portas de armário abertas, louça na pia...
Passar o dia de pijama... Sem ninguém pra conversar ou reclamar da vida... Comprar comida de farmácia... Conversar com os atores de seriados. Chorar...
STOP!
VOLTA A FITA.
Essa é a descrição de uma pessoa deprimida e não de uma pessoa que mora sozinha!
OK! Morar sozinha tem suas vantagens. Quais? Hummm...

  1. Pode andar pelado pela casa. Não precisa sair correndo pela casa, pode andar calmamente. Não precisa se preocupar em esconder os pneuzinhos. Mas se as cortinas estiverem abertas e alguém te ver, cave um buraco e se enterre. 
  2. Beber refrigerante direto da garrafa. Hahahahahaha, eu faço isso, mas escondido.
  3. Se não arrumar a cama de manhã, ninguém vai reclamar. Mas não vai ser a mesma coisa que encontrar a cama arrumadinha, cheirosa, confortável e acolhedora.
  4. Comer bolacha no café da manhã, almoço e jantar sem ninguém te obrigando a comer alface. Mas depois não reclame se virar uma bolacha - recheada!
  5. Falar com as paredes. E com o shampoo. E com o guarda-roupa. E com a tartaruga que te responde com aquele olhar "você tá falando comigo? Tá louca?"
  6. Fazer exercícios - pedalar, caminhar, respirar ar puro. É muito legal equilibrar sacolas de supermercado na cestinha da bicicleta e nos dois guidões (palavra esquisita, é assim que fala?). É mais legal ainda quando começa a chover e você não enxerga nada por causa dos pingos da chuva nos óculos. Maaais legal que isso, só subir os 4 andares com as sacolas, chegar na porta do apartamento e procurar pelas chaves na bolsa - que ficaram na bicicleta.
  7. Ter a cama todinha pra se esparramar, esticar as pernas, os braços e dar de cara com o outro travesseiro... vazio.
  8. Ter um prato, um copo, um garfo, uma colher pra lavar. Economia de água e detergente.
  9. Ter uma calcinha, um par de meias, um sutiã, uma calça, uma camiseta pra lavar. Desperdício de água, sabão e amaciante pra encher a máquina.
  10. Não consigo pensar em mais nenhuma vantagem em morar sozinha, mas deve ter muito mais, só não consigo me lembrar agora.
Essa semana, comi no refeitório da fábrica, estava muito ansiosa pela chegada dos dois, acordei atrasada na quarta feira e tive que ir de carona com o tantousha ( não sei como explicar em portugues, é o nosso tradutor, agenciador).
No domingo, dia 7, o povo foi na praia. Primeira vez da Laís na praia. Imagino a alegria e o susto dela ao ver tanta água. Amanda me mandou dois vídeos dela. O primeiro, ela correndo para a água. O segundo, ela correndo da água, chamando pelo vovô, falando "vovô, não gostei da água".

Foi muito difícil o beto deixar a Laís...

Queria ter estado lá com eles...

Gangnam Style feat Laís




Falta pouco!

domingo, 14 de outubro de 2012

Terceira semana

Bom...
A terceira semana forever alone passou tão rápido e tão sem novidades que nem tem o que falar.
Minha 'ração' está no fim, sobrou 2 saquinhos com bife e 1 saquinho com carne moída . Passei a semana comprando comida de farmácia e me desculpem, mas NÃO SEI ONDE COLOQUEI AS FOTOS, não sei se deletei sem querer, não me lembro se tirei com a camera ou com o iPad, simplesmente não me lembro o que eu fiz com as fotos!
Foi realmente uma semana zumbi.
Limpei a casa, arrumei os armários, ajeitei o quarto do Lucas.
Então... é isso.
Terceira semana letárgica. Terceira semana zumbi. Terceira semana passou e eu não vi.
Pra não ficar muito sem graça, vou postar uma foto de uma sopinha que tomei durante essa semana, que é da Primeira Semana.

Tomei sopa instantanea - abóbora, queijo, cogumelo -, arroz instantaneo - curry e cogumelo ao molho de tomate -, lamen do Sugakya, aquele que coloca na água fervente e cozinha 3 minutos. Muitas bananas. 
Ah! e tomei duas garrafas de coca-cola, em tres semanas! 

domingo, 7 de outubro de 2012

Segunda semana


O casamento da Valéria foi no sábado e pelo que me contaram, foi muito bonito. O Beto ficou muito ansioso e disse que ficou tremendo até a entrada. Amanda disse que, quando ele e a Valéria passaram pelo corredor, a Laís ficou gritando "Vovô! Vovô!" e ele nem tchum! Passou direto. Ah, Mazinho...




Esta semana trabalhei durante o dia.
Foi mais fácil do que pensei, não fiz hora extra, a casa vazia, só pra mim. As noites claras, porque dormi com a luz acesa nas duas primeiras noites. O resto da semana, com a luz do corredor acesa, pra evitar tropeçar nos tapetes, quando fosse na cozinha ou no banheiro.
Comi direitinho, seguindo a ordem da 'ração'. Não tomei coca-cola.
Sem muito o que contar.
O bordado está praticamente terminado, só faltando o acabamento e as fitas. E comprar a máquina de costura. A minha, que está no Brasil vai ficar lá, o Beto não quer trazer porque acha que vai quebrar durante a viagem.
Quinta feira, a Jandira e a Fernanda vieram em casa fazer a "Casa da Paz". Contei como foi essa visita no blog www.thebeautygeek.net, mas está programado para ser publicado ainda. Então postarei só a foto e uma prévia.

Gente, sabe quando você passa o dia todo ansiosa, porque vai receber visitas e fica ajeitando almofadas? Verificando se tem papel higiênico no banheiro, se a toalha do lavabo está limpa? Eu não costumo receber muitas visitas em casa, exceto pelos amigos do Lucas que migram pra cá às vezes. Mas isso não conta porque a visita é pra ele. Pois bem! Duas pessoas marcaram visita para falar de um projeto muito legal, a 'Casa da Paz', não vou entrar em detalhes, talvez em outra oportunidade.
Não sei se é porque meu marido e filho foram ao Brasil a passeio e to me sentindo meio abandonada.
Fiquei pensando o dia todo o que fazer. Elas viriam às 8h da noite. Servir um jantar? Um lanche? Suco, refrigerante, cerveja? Cerveja não, doida!


O final da história, você confere daqui a alguns dias, eu volto pra contar o dia da publicação!

Bom, os dois, apesar da saudade, estão se divertindo.
Eu também estou me divertindo:

  • Lavando roupa, que mal enche 1/2 balde;
  • Cozinhando e lavando a louça - 1 copo, 1 prato, 1 garfo, 1 panela;
  • Varrendo a casa e pegando só os fios do meu cabelo - isso não mudou nada, porque só meu cabelo cai;
  • Vendo TODOS e SÓ os programas de tv que eu gosto;
  • O notebook SÓ pra mim;
  • Dormindo e acordando sozinha - ó dó!
  • Alimentando e dando banho na Tusha. Agora ela gosta de mim;
  • Trabalhando - mas... eu já fazia isso;
  • Sem mais.
Pode chorar! Eu também estou com pena de mim.
Brincadeira!


Eu estou morrendo de saudade dos dois, mas eu também precisava de um tempo só pra mim. Um tempo pra fazer as minhas coisas.
No sábado, fui fazer umas compras pra Amanda- de bicicleta. Perguntei o caminho pra ir até lá e o Beto falou "vira no Aoki Super e vai embora! Dá uns cinco minutos de bicicleta". Fui embora mesmo! E fui pensando... se eu conseguir chegar lá, não vou conseguir voltar. P* lugar longe!! De carro eu já achava, imagina de bicicleta. Quando a gente abre as asas, pensa que pode voar longe.
Voltei com a cesta da bicicleta cheia de sacolas e ainda passei no Aoki comprar pão... e coca-cola. Eu menti lá em cima. Tomei coca-cola. Tomei muita coca-cola.
No domingo, fui a um churrasco em Arai, eram 4 aniversários em 1. Como eu só conhecia um dos aniversariantes, levei presente só pra ele, um cd do João Gilberto.
Eu não ia, teria que ir de trem até Toyohashi e os pais da Lika me pegariam lá, ou pegaria carona com a Solange. O Edson disse que ela me ligaria pra combinar e esperei o dia todo pela ligação. Desisti porque achei que ia ser muito cansativo, que teria de desviar o caminho de um dos dois, eu não conhecia ninguém e porque tinha que fazer um pedido para Amanda pela internet, tirar fotos do que comprei no sábado e editar, depois montar o álbum e me conhecendo, ia levar o dia todo fazendo isso.
Sábado à noite ela me ligou e não tive como dizer não. E foi bom não dizer não.

Há pessoas que são fotogênicas e há pessoas que não são. Eu me enquadro no segundo grupo.
Na tenda ao lado, estava um grupo de japoneses que comemoravam o aniversário da amiga. Atraídos pela música - que estava tão alta que não sei como, não atraiu raios e trovões - eles foram chegando , chegando e acabaram na mesa do bolo.





 

Muito legal saber que os japoneses procuram interagir conosco e fico triste por não termos sido os primeiros a tomar a iniciativa.

Comprei dois produtinhos da Natura, um óleo Sève inverno e um fluido de massagem da linha Ekos.



O óleo ainda vai ficar guardado, pois o frio não chegou. Imagina passar pimenta no corpo num dia de calor? Vou sair ardendo do chuveiro!
Durante a gravidez da Amanda, usei muito o Sève de Amendoas, apesar de ter o cheiro bem forte, era uma delícia! Deixava a pele macia, cheirosa, com vontade de me abraçar o dia todo. Eu ficava cheirando o ombro todo o tempo, só o ombro, porque com aquele barrigão, cheirar o joelho era uma tarefa impossível até para o contorcionista  do Cirque du Soleil.
Não vejo a hora do inverno chegar pra acender umas velas no ofurô, jogar umas gotinhas do óleo na água e ficar bem macia e cheirosa. E quente.



Fim da segunda semana

Aproveitando os momentos sozinha pra descansar. Foi uma semana pra relaxar.


Arai, um lugar muito bonito

E tinha muito azul, o que eu adoro!






domingo, 30 de setembro de 2012

Primeira semana

1o dia

Olhar para as malas arrumadas, perto da porta, deu uma sensação de impotência e certeza de que eles iriam mesmo. De nada adiantaram minhas caras e bocas e meus olhares de "fica, fica, fica".




Tudo bem, vão ser só 20 dias! Ah, me engana, que eu gosto!
Vou ter bastante tempo para as minhas coisas.
Vou ter tempo de sobra demais para não fazer nada...
Silêncio absoluto...

Vai ser só eu e a Tusha, mais eu que ela, porque ela não conversa e os seus carinhos são um pouco molhados, afinal ela é uma tartaruga, que solta raios!
Depois que o ônibus partiu, fui para Kanayama fazer umas comprinhas de artesanato.
Pensando em fazer uma shamballa, um colar, brincos...

e bordados, muitos bordados

maleta para material de bordar e porta-lingerie (se um dia resolver viajar, rsrs)

Caixas para guardar minhas bonecas e as roupas que vou costurar para elas

A Lika me deu de presente as suas bonecas



Cheguei em casa no finalzinho da tarde e nem queria jantar, mas prometi a todo mundo que iria comer, então...
Comi um chahan e tomei coca-cola. Até que o chahan de farmácia é gostoso. É só colocar os molhos, 2 minutos no microondas e misturar. 
Dormi com a luz acesa e com a corrente na porta. Testei um monte de vezes se a corrente era facil de tirar, porque acho que nunca tinha sido usada, e se desse terremoto e eu não conseguisse sair?? #paranóica








2o dia


Beto me ligou de Dubai, do celular, e disse que estava tudo bem. Falei com o Lucas também.
Fiz café e descobri porque o café que o Beto fez ontem estava com pó. Ele colocou o filtro na cafeteira sem o porta-filtro! Quando estamos de folga, ele sempre me faz café, diz que adora o cheiro do café sendo passado, mas não toma. Depois da minha mãe e da bachan, ele faz o MELHOR café do mundo! Mesmo ontem, com pó no fundo da xícara, estava perfeito.
A casa está silenciosa e bagunçada. Finalmente tirei as bonecas da sacola, que ganhei da Lika ontem.
Como fizemos estoque de carne, tive que individualizar a ração. Coisa prática e triste... Minha comida em sacos plásticos...

 Vou comer: carne moída, bife, linguiça. Carne moída, bife, linguiça. Carne moída, bife, linguiça.

E carne moída e calabresa.

Acho que tenho comida suficiente, né?


Comi 1 esfiha e tomei suco de laranja no almoço.
Comi pão com nutella à tarde.
Levei arroz com calabresinha para jantar na fábrica.
Como é bom trabalhar e ocupar a cabeça. Corpo cansado sem disposição para pensar besteira. Ainda não chorei.


3o dia

Comecei a bordar. Esse foi o primeiro ponto que minha bachan ensinou. Eu tinha uns 8 anos.
Não almocei. Nunca almoço quando faço yakin, a não ser quando o Lucas me chama e como ele não está aqui (é, eu estou fazendo chantagem emocional)...
Levei arroz com carne moída para jantar na fábrica.

4o dia

Cheguei da fábrica. Dormi.Acordei.Fui trabalhar.
Levei arroz com carne moída (quando é que essa carne moída vai acabar??)


5o dia

Mais animada para cozinhar. Menos animada para lavar a louça.
Bife para a janta. Não é a minha picanha especial, mas ficou bom.


6o dia


O bordado está rendendo, acho que domingo termino.


Cheguei em casa às 5 da manhã, falei um pouco com o Beto e fui dormir. Acordei às 10:30, lavei roupa, vi alguns episódios do Grey's Anatomy da primeira temporada. Tomei uma sopinha.
Almocei tarde, acho que era umas 3 horas da tarde. Comi isso no almoço e janta:



7o dia


Domingo. O que fazer no meu primeiro fim de semana em casa sozinha?
Falei com o pessoal pela webcam. Debati política (odeeeeio) num grupo do facebook. Comecei a 2a temporada do Grey's Anatomy. E almocei isso:

É, é a feijoada.
Eu sou viciadíssima em café preto e me falavam "se você continuar tomando café desse jeito, vai ficar preta".
Depois de 2 dias comendo feijoada e tomando coca-cola, vou ficar preta... e GORDA.
Pra completar a semana, taifu! 

Fim da primeira semana.

Fiquei feliz, porque recebi ligações e mensagens de pessoas queridas que se preocupam comigo. Eu estou bem. Mais tranquila do que esperava, porque converso todos os dias, pelo MSN, com o Beto, Lucas, Amanda e Laís. 
Tomar coca-cola direto da garrafa não tem graça se não pode tomar escondido. Usando copo.
A próxima semana é que me preocupa...















quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Tomar coca-cola direto da garrafa

Valéria vai casar.

Valéria é minha cunhada e a última das irmãs do Beto solteira. E resolveu se casar. E quer o irmão no casamento. E está no Brasil.
Isso significa que o Beto vai ter que ir para o Brasil; é uma coisa boa porque ele está precisando de férias. Quando Aline - minha outra cunhada - se casou, não pudemos comparecer e prometemos ir ao casamento da Valéria. Promessas são tão complicadas e difíceis de cumprir...


Eu não vou poder ir, meu contrato foi renovado (ufa! que alívio!) e não posso pedir férias... Mas o Beto, depois de quase 5 anos trabalhando sem NUNCA ter faltado, decidiu que era hora de tirar uns dias de descanso e assim poderia conduzir a irmã até o altar, conhecer a Laís, rever a família e os amigos, resolver algumas coisas em casa (será que vão ser férias?).
Foram meses de planejamento, semanas de ansiedade e dias de tensão. Quanto mais perto o dia da viagem se aproximava, mais ele ficava desesperado, afinal eu iria ficar sozinha e quem me conhece...
O Lucas vai junto.
Decidi fazer um diário contando como vai ser esses dias sem os dois aqui em casa.

Uma semana antes

Dia 14 de setembro foi aniversário dele e fizemos um churrasco no domingo pra comemorar o aniversário e a despedida deles. Tive uma crise histérica e por pouco não fui parar no hospício. Era muita coisa pra administrar.
Pessoas estavam sendo demitidas na minha fábrica; preparativos do churrasco; compras para a viagem; comprar terno/gravata/sapato; ansiedade por ficar sozinha; Beto e Lucas pareciam apáticos e sem vontade de colaborar; ia passar taifu no dia do churrasco.
Mas deu tudo certo, fez um dia lindo - com um pouco de vento - nossos amigos compareceram, não faltou comida, não faltou bebida, não faltou alegria e não faltou micos, né Alexsandra?  hahahahahaha
Até falei umas palavrinhas na hora do parabéns. Lucas tocou no violão e a Laís falou "Feízsário" e cantou parabéns num vídeo que Amanda gravou.

Dois dias antes

Correria.
Fomos visitar a Angel e voltamos decepcionados e revoltados. Essa história contei aqui.
O Lucas foi encontrar os amigos no parque e nós fomos ao AEON e o Beto acabou comprando uma calça e um tênis. Falou que eu estava levando ele para o mau caminho, que estava gostando de gastar dinheiro com roupas. Saí do shopping desmaiando de fome e cansaço... a semana toda não almocei nem jantei, simplesmente não tinha fome! Resolvemos comprar comida no Sukiya e comer em casa.

Um dia antes

Fomos buscar saco de lixo na prefeitura de manhã e fizemos compras no Koko. Estoquei a geladeira de carne. Passamos o resto do dia vendo seriados online. O Lucas foi almoçar com os amigos, depois foi para o estúdio e à noite fomos levar a Lika até Chiryu, para ela pegar o trem de volta para Toyohashi. Comi 4 esfihas - duas no almoço e duas na janta. Acho que estou voltando ao normal e a fome veio em dobro.

Dia da viagem

Fomos ao banco atualizar as cadernetas e fazer as últimas compras. Beto comprou alguns presentinhos para os amigos e um boné. Pelo jeito virou um consumista...
Compramos garrafas e garrafas de suco e o Beto ficava me beijando e suspirando e pedia pra eu não olhar com aquele olhar de "fica, fica, fica".
A Lika e os pais chegaram exatamente ao meio dia e pegamos a estrada pra Nagoya.
13:30 entramos no Denny's para almoçar e 14:50 o Beto e o Edson estavam correndo atrás do agente de viagens pra pegar um selo de identificação para o embarque. Brasileiro é fogo. Não respeita o horário.
Deveríamos estar às 14:30 no ponto de ônibus para o kakunin. 15:00 o ônibus iria sair.
Nós estávamos tranquilos porque estávamos dentro do horário e no ponto. De repente foi uma correria, ningém sabia que precisava de um selo de identificação para o embarque. Pessoas correndo de um lado para o outro, malas espalhadas na calçada, pessoas ainda se despedindo e eu me irritando. O agente de viagens não tinha explicado sobre o selo e tinha sumido. Ainda bem que despachamos as malas no sábado, então só faltava o selo.
Haviam dois ônibus - um branco e um vermelho - o selo do Beto e Lucas era vermelho, então os dois pertenciam ao vermelho. Verdade?! Dãããã.  Os motoristas ficavam olhando o relógio e o povo bem sossegado... Brasileiro é fogo!
Beto me beijou e falou: - eu amo tanto você! Você vai ficar bem?
- Vou. Você vai?
- Não! ele respondeu.
Lucas me deu um abraço forte e demorado.
De dentro do ônibus, Beto ficou brincando e colou o selo na testa, na orelha, ficou fazendo graça. Lucas ficou sério e não olhou pela janela.
O ônibus foi andando e a gente seguindo. Beto ficou olhando pra trás até não nos ver mais. No último momento, Lucas ficou me olhando... e deu xauzinho...
Pronto. Foram.
A partir de hoje, posso tomar coca-cola direto da garrafa.







terça-feira, 25 de setembro de 2012

Um anjo com a asa quebrada e uma mãe com o coração partido

Antes de começar a ler, relembre aqui, a história da Sara e do Peto.


Oi, mãe!!





E pro Nick e Peto, nada??
NADA!!
Depois que a Sara e o Peto morreram, ficou um buraco enorme em mim... Mas não um buraco triste, porque eles me deram tantas alegrias e não seria justo ficar me lamentando e perdendo tempo sentindo raiva de quem jogou veneno no nosso quintal. Ficou um buraco cheio de boas lembranças. Peto chegava de mansinho, olhando para os lados, fugindo do pai - Nick. Colocava o focinho no meus joelhos e ficava esperando carinho, chegava a dormir em pé, apoiado lá.
A Sara chegava rebolando, toda manhosa e fazendo charminho. Deitava de costas e abria as
pernas, porque gostava que a gente fizesse cocegas na barriga. Ela comia a ração DEITADA - como o pai - e quando a gente perguntava "tá gostoso, Sara?" ela se chacoalhava toda, sem tirar a cabeça do pratinho. A mãe - Sofia - só balançava o rabo.
Eu sinto tanta saudade de todos eles...
Sinto saudade de ver o Beto com o saco de pão na mão, falando para os quatro sentarem. E cada um ia pegando o seu pão e indo comer no seu canto. A Sofia ficava desfilando com o pão na boca e quando todos já tinham comido, ela ia enterrar o dela. Peto ia atrás, desenterrava e comia. Danado!
Sempre peço pro Beto um cachorrinho, mas ele não quer ter aqui no Japão, por vários motivos.

essa é a carinha que conquistou o meu coração


FACEBOOK é um canal aberto para nossas emoções e um dia, vi a foto da Angel, uma cachorrinha que tinha sofrido maus tratos e precisava de uma família que a acolhesse.
Quando li a sua história, tive certeza de que poderíamos ajuda-la. Ela já tem 12 anos e estava com a perna fraturada, precisaria de cirurgia, fisioterapia, remédios e principalmente amor.
Depois de algumas mensagens trocadas com a ONG - onde ela estava - fomos visitá-la no sábado. O Beto e o Lucas iriam viajar na segunda e eu queria que eles a conhecessem. Eu os tinha convencido a levá-la pra casa e estávamos animados e esperançosos.
Foram duas horas de viagem com muita expectativa e planos.
Quando a encontramos, levamos um susto! Como ela era pequena e frágil!  E à medida em que fomos conversando com a responsável pela ONG, foi crescendo uma revolta tão grande... Ela já tinha optado por outra família.
Ótimo que a Angel iria morar com uma família "melhor", com recursos financeiros e muito tempo disponível para cuidar dela. Ótimo que muitas pessoas foram vê-la e que queriam cuidar dela. Ótimo que a sua história comoveu e arrecadou muitas doações para a ONG.
O que me chateou e falei isso para ela, é que se soubessemos que outra família tinha sido escolhida, nós deveríamos ter sido avisados e não teríamos ido visitá-la. Não foi justo nem responsável da parte dela. Ela poderia ter dito que a Angel já tinha sido adotada, mas que poderíamos ir vê-la e que tinha outros bichinhos à disposição, que poderíamos visitar o canil, etc. Quando troquei mensagens com ela, não sei se foi impressão, mas ela, em todas as respostas, foi "curta e impessoal". Deixou que criássemos expectaticas... Quando perguntei se tinha sido com ela que troquei mensagens ela me respondeu "ah, eu falo com 6 pessoas ao mesmo tempo. Não sei se foi com você que falei." E ficou falando de um cachorro que tinha acabado de ser entregue, falava das qualidades do bichinho...
Meu Deus do céu! Que insensibilidade...
Quando chegamos, encontramos um casal de saída que estava visivelmente decepcionado. Também tinham recebido a notícia, de surpresa.
Concordo que a ONG queira encontrar famílias para seus abrigados, mas tenha um pouco mais de respeito para com as pessoas. Não podem passar por cima dos sentimentos das pessoas desse jeito.
Vi ali um comércio - sem lucros - de animais. Doação não é isso. Simplesmente empurrar um animal para alguém. Deve haver uma afinidade, uma química, temos que gostar do bichinho e principalmente, ele tem que gostar de nós.
Quando estávamos indo embora, a Angel se arrastou e começou a chorar. Perguntei "você quer ir embora comigo?", ela colocou seu focinho na minha mão e ficou fungando, rsrs. Não sei se ela fez isso com todos que foram vê-la, mas como o Beto disse: "pra MIM, ela só fez isso pra nós".
Angel, depois da cirurgia
Angel...
Eu espero, de todo coração, que você se recupere logo e tenha uma velhice confortável e feliz e eu NUNCA, NUNCA vou me esquecer do seu olharzinho de jabuticaba.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

De cara limpa


Esse post, escrevi para o www.thebeautygeek.net, que ainda vai ser publicado. Vai ser um spoiler tremendo, mas eu queria muito publicá-lo aqui, então, enquanto aguardo a publicação lá, vocês podem conferir por aqui. Ah! e podem curtir os posts das meninas enquanto isso, ok?





Nossa, adorei essa menina!
Concordo com TUDO o que ela falou, mas sou escrava de um lápis de olho. Desde os meus 15 anos, eu NÃO saio de casa sem passar, simplesmente não consigo. É como sair de casa pelada. Duas coisas me fazem sentir segura: óculos (óbvio, né?) e lápis de olho.
Quando acaba o lápis e não tem jeito, tenho que sair de casa, evito olhar para as pessoas. Paranóia total! Insegurança pura!
Às vezes, ao acordar, o Beto (meu super marido) me olha e diz "você é linda até com o olho inchado de tanto dormir" ou "você fica bonita até com o cabelo despenteado". E de manhã, eu estou com A CARA LIMPA, mas mesmo assim,  me sinto insegura quando não passo o lápis, afinal marido é marido, né? Acha a gente linda até careca e desdentada.
Mas depois que assisti esse vídeo, passei a pensar e a querer mudar. Passamos maquiagem para nos sentirmos bem; desejadas; admiradas. Passamos maquiagem para mostrar ao nosso marido, namorado, ficante, que queremos ficar lindas para eles, mas em primeiro lugar, para nós mesmas. Nos maquiamos até para mostrar àquele ex-, que não soube nos valorizar, que quem perdeu foi ele!
Eu não sou um bebê que precisa do ursinho pra se sentir seguro, muito menos aquela new rich que precisa exibir a bolsa da Hèrmes, com designer do Ginza Tanaka, que têm 2.000 (!) diamantes, alça removível que pode ser usada como colar ou pulseira e 8 (OITO!) diamantes em formato de pêra que podem ser usados separadamente, para se sentir... rica.
E uma coisa, a De tem razão, se a gente usar maquiagem (de festa) todos os dias, que impacto de OH! vai ter em uma festa? Conheço algumas meninas que vão para a fábrica, parecendo que após o trabalho vão direto para uma balada. A diferença é que usam sapato de segurança com ponta de ferro ao invés de um salto agulha.
Eu não deixarei de usar meu amado lápis, mas quando for inevitável sair sem ele, nunca mais deixarei de olhar nos olhos das pessoas, afinal o que encanta é o olhar e não a cor do lápis ou da sombra ou do batom.


E se você ficou curiosa pra ver a bolsa linda, maravilhosa, magnífica, aqui está ela:

Infelizmente, algumas das bolsas mais caras do mundo são feitas de peles de animais - crocodilo, marta, chinchila...

domingo, 12 de agosto de 2012

Feliz Dia dos Pais

Quando vi essa imagem no Facebook, me lembrei de todas as vezes em que perguntei para os meus pais o que eles queriam ganhar no seu dia. "Nada", eles respondiam. Nunca entendi o que significava "nada" até me tornar mãe.
Presentear alguém que a gente ama com gravatas, meias, motosserras, cadeira do papai, etc é muito útil e legal. Mas o que eles querem mesmo é que nós, filhos,
 sejamos felizes, porque a nossa felicidade é o modo de dizer à eles "obrigado por tudo que fez por mim, pai. Obrigado por ter me orientado a ser a pessoa que sou."
Eu não poderei abraçar o meu pai no dia dele, mas ele sabe que estou com ele, em espírito, TODOS os dias.
Pai, firme aí! E só pra você saber: EU ESTOU FELIZ!!
Estando tão longe de casa, parece que essas datas se intensificam para uns e se tornam sem sentido para outros. Nunca fiz muita questão de comemorar essas datas tão comerciais. Tudo gira em torno de presentear com coisas materiais e as reuniões familiares ficam em segundo plano.
Este ano, como estou meio dona-de-casa, quis fazer um almoço especial.
Esta receita já fiz com abacaxi e laranja, com pimentão verde, amarelo, laranja e vermelho. Desta vez, tentei com vinho tinto, Invenção minha, pelo menos acho que ninguém tentou. Procurei algumas receitas pela internet e achei uma bem legal, feita pelo Edu Guedes. Não tinha todos os ingredientes, então improvisei.
Por favor, não façam o que eu fiz! HAHAHAHAHAHA  quase coloquei fogo na cozinha, parecia festa junina, com óleo e vinho explodindo pra todos os lados. Nas fotos, parece tudo bem planejado, mas não se enganem.
Vou explicando passo a passo.





Panela elétrica -  ideal para grelhados, yakisoba e ... minha Picanha Especial


Ingredientes - 600g de picanha cortadas em fatias grossas, 1 cebola cortada em rodelas grossas, 3 dentes de alho cortados em lâminas, 2 cubos de caldo de picanha, 1 taça de vinho, azeite e sal a gosto. O vinho, usei o que tinha na geladeira, comprado a alguns meses :/


Parecem bem comportados, né? Humpf! 
Eu, a cozinheira perfeita, coloquei azeite e vinho na panela QUENTE. A cozinha parecia dia de Hanabi, ou festa junina. As geladeiras, teto, mesa, EU, ficaram cheias de respingos vermelhos, parecia um mar de sangue. Então, desliguei a panela e comecei de novo. Coloquei azeite e liguei a panela. Fiz uma cama com o alho - já dourado - coloquei a carne e reguei com o vinho.


e TAMPEI  a panela.


Coloquei sal (de um lado só dos bifes) e acrescentei o caldo de picanha, dissolvido em duas colheres de água no microondas. Após dourar de um lado, virei e joguei o alho por cima. A cebola, só coloquei quando os bifes já estavam quase no ponto.


Toque final, salsinha desidratada.
A picanha ficou macia, porque foi cozida no próprio vapor e depois  que secou, o vinho deu cremosidade e caramelizou a carne. Não sei se são esses os termos, mas acho que deu pra entender. 


Salada pra completar


Olha que coisa mais fofa! O shamoji - colher para pegar arroz -  nunca mais vai ficar pendurada na panela


Pedi para os dois colocarem camiseta pra foto. Ninguém merece almoçar de cuecas no Dia dos Pais, né?


Descobri que engordar esses dois é bom demais! Estão faltando muitas pessoas na mesa - Amanda, Laís, Keity, meu pai... mas vamos comer por eles!


Ia fazer feijão, mas sobrou feijoada da janta e como desperdiçar é pecado... Não combinou muito, mas brasileiro é brasileiro, o importante é comer.


Em casa, como igual leão. Na fábrica, igual passarinho. Ah, não consigo comer em potinhos... 


É tão bom cozinhar e ouvir "ficou bom, mesmo hein?"


Sorvete de tangerina de sobremesa. Pensaram que ia ser uma torta vienense ou profiteroles? Depois de horas na cozinha, um sorvetinho de palito tá bom demais!