terça-feira, 25 de setembro de 2012

Um anjo com a asa quebrada e uma mãe com o coração partido

Antes de começar a ler, relembre aqui, a história da Sara e do Peto.


Oi, mãe!!





E pro Nick e Peto, nada??
NADA!!
Depois que a Sara e o Peto morreram, ficou um buraco enorme em mim... Mas não um buraco triste, porque eles me deram tantas alegrias e não seria justo ficar me lamentando e perdendo tempo sentindo raiva de quem jogou veneno no nosso quintal. Ficou um buraco cheio de boas lembranças. Peto chegava de mansinho, olhando para os lados, fugindo do pai - Nick. Colocava o focinho no meus joelhos e ficava esperando carinho, chegava a dormir em pé, apoiado lá.
A Sara chegava rebolando, toda manhosa e fazendo charminho. Deitava de costas e abria as
pernas, porque gostava que a gente fizesse cocegas na barriga. Ela comia a ração DEITADA - como o pai - e quando a gente perguntava "tá gostoso, Sara?" ela se chacoalhava toda, sem tirar a cabeça do pratinho. A mãe - Sofia - só balançava o rabo.
Eu sinto tanta saudade de todos eles...
Sinto saudade de ver o Beto com o saco de pão na mão, falando para os quatro sentarem. E cada um ia pegando o seu pão e indo comer no seu canto. A Sofia ficava desfilando com o pão na boca e quando todos já tinham comido, ela ia enterrar o dela. Peto ia atrás, desenterrava e comia. Danado!
Sempre peço pro Beto um cachorrinho, mas ele não quer ter aqui no Japão, por vários motivos.

essa é a carinha que conquistou o meu coração


FACEBOOK é um canal aberto para nossas emoções e um dia, vi a foto da Angel, uma cachorrinha que tinha sofrido maus tratos e precisava de uma família que a acolhesse.
Quando li a sua história, tive certeza de que poderíamos ajuda-la. Ela já tem 12 anos e estava com a perna fraturada, precisaria de cirurgia, fisioterapia, remédios e principalmente amor.
Depois de algumas mensagens trocadas com a ONG - onde ela estava - fomos visitá-la no sábado. O Beto e o Lucas iriam viajar na segunda e eu queria que eles a conhecessem. Eu os tinha convencido a levá-la pra casa e estávamos animados e esperançosos.
Foram duas horas de viagem com muita expectativa e planos.
Quando a encontramos, levamos um susto! Como ela era pequena e frágil!  E à medida em que fomos conversando com a responsável pela ONG, foi crescendo uma revolta tão grande... Ela já tinha optado por outra família.
Ótimo que a Angel iria morar com uma família "melhor", com recursos financeiros e muito tempo disponível para cuidar dela. Ótimo que muitas pessoas foram vê-la e que queriam cuidar dela. Ótimo que a sua história comoveu e arrecadou muitas doações para a ONG.
O que me chateou e falei isso para ela, é que se soubessemos que outra família tinha sido escolhida, nós deveríamos ter sido avisados e não teríamos ido visitá-la. Não foi justo nem responsável da parte dela. Ela poderia ter dito que a Angel já tinha sido adotada, mas que poderíamos ir vê-la e que tinha outros bichinhos à disposição, que poderíamos visitar o canil, etc. Quando troquei mensagens com ela, não sei se foi impressão, mas ela, em todas as respostas, foi "curta e impessoal". Deixou que criássemos expectaticas... Quando perguntei se tinha sido com ela que troquei mensagens ela me respondeu "ah, eu falo com 6 pessoas ao mesmo tempo. Não sei se foi com você que falei." E ficou falando de um cachorro que tinha acabado de ser entregue, falava das qualidades do bichinho...
Meu Deus do céu! Que insensibilidade...
Quando chegamos, encontramos um casal de saída que estava visivelmente decepcionado. Também tinham recebido a notícia, de surpresa.
Concordo que a ONG queira encontrar famílias para seus abrigados, mas tenha um pouco mais de respeito para com as pessoas. Não podem passar por cima dos sentimentos das pessoas desse jeito.
Vi ali um comércio - sem lucros - de animais. Doação não é isso. Simplesmente empurrar um animal para alguém. Deve haver uma afinidade, uma química, temos que gostar do bichinho e principalmente, ele tem que gostar de nós.
Quando estávamos indo embora, a Angel se arrastou e começou a chorar. Perguntei "você quer ir embora comigo?", ela colocou seu focinho na minha mão e ficou fungando, rsrs. Não sei se ela fez isso com todos que foram vê-la, mas como o Beto disse: "pra MIM, ela só fez isso pra nós".
Angel, depois da cirurgia
Angel...
Eu espero, de todo coração, que você se recupere logo e tenha uma velhice confortável e feliz e eu NUNCA, NUNCA vou me esquecer do seu olharzinho de jabuticaba.

2 comentários:

  1. Ela poderia ter sugerido outros cães antes de vocês irem né...como você disse no post.

    Eu não me arrependo de ter comprado a Shen Shen direto do criador, a bichinha já estava há 4 meses dentro da gaiola e seria matriz do canil. Conheci os pais da Shen e muitos outros cães! E mesmo eles vivendo em gaiolas, eles pareciam felizes e pareciam gostar muito dos donos do lugar. Todos eram bem gordos e com pelo brilhante. E as mães com os filhotes ficavam em um lugar separado e mais confortável. Depois que compramos a Shen Shen, levamos ela no canil umas 2~3 vezes e ela sempre demonstrava um carinho imenso para os donos do canil que nunca tinha demonstrado pra gente. Foi difícil ela começar á ter carinho por nós.
    É como você disse, tem que rolar algo entre a gente e os bichinhos. De nós pra Shen rolou mas não sei se rolou dela pra gente rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Complicado hein amiga?!
    Que chato!
    Eu não conheço ninguém de lá pessoalmente, armas por mensagens.
    Eu imagino como você deve ter ficado....
    Não sei se deveria lhe pedir isso, mas da uma chance pro pessoal....
    São novos nisso....


    Beijocas

    ResponderExcluir