sexta-feira, 31 de agosto de 2012

De cara limpa


Esse post, escrevi para o www.thebeautygeek.net, que ainda vai ser publicado. Vai ser um spoiler tremendo, mas eu queria muito publicá-lo aqui, então, enquanto aguardo a publicação lá, vocês podem conferir por aqui. Ah! e podem curtir os posts das meninas enquanto isso, ok?





Nossa, adorei essa menina!
Concordo com TUDO o que ela falou, mas sou escrava de um lápis de olho. Desde os meus 15 anos, eu NÃO saio de casa sem passar, simplesmente não consigo. É como sair de casa pelada. Duas coisas me fazem sentir segura: óculos (óbvio, né?) e lápis de olho.
Quando acaba o lápis e não tem jeito, tenho que sair de casa, evito olhar para as pessoas. Paranóia total! Insegurança pura!
Às vezes, ao acordar, o Beto (meu super marido) me olha e diz "você é linda até com o olho inchado de tanto dormir" ou "você fica bonita até com o cabelo despenteado". E de manhã, eu estou com A CARA LIMPA, mas mesmo assim,  me sinto insegura quando não passo o lápis, afinal marido é marido, né? Acha a gente linda até careca e desdentada.
Mas depois que assisti esse vídeo, passei a pensar e a querer mudar. Passamos maquiagem para nos sentirmos bem; desejadas; admiradas. Passamos maquiagem para mostrar ao nosso marido, namorado, ficante, que queremos ficar lindas para eles, mas em primeiro lugar, para nós mesmas. Nos maquiamos até para mostrar àquele ex-, que não soube nos valorizar, que quem perdeu foi ele!
Eu não sou um bebê que precisa do ursinho pra se sentir seguro, muito menos aquela new rich que precisa exibir a bolsa da Hèrmes, com designer do Ginza Tanaka, que têm 2.000 (!) diamantes, alça removível que pode ser usada como colar ou pulseira e 8 (OITO!) diamantes em formato de pêra que podem ser usados separadamente, para se sentir... rica.
E uma coisa, a De tem razão, se a gente usar maquiagem (de festa) todos os dias, que impacto de OH! vai ter em uma festa? Conheço algumas meninas que vão para a fábrica, parecendo que após o trabalho vão direto para uma balada. A diferença é que usam sapato de segurança com ponta de ferro ao invés de um salto agulha.
Eu não deixarei de usar meu amado lápis, mas quando for inevitável sair sem ele, nunca mais deixarei de olhar nos olhos das pessoas, afinal o que encanta é o olhar e não a cor do lápis ou da sombra ou do batom.


E se você ficou curiosa pra ver a bolsa linda, maravilhosa, magnífica, aqui está ela:

Infelizmente, algumas das bolsas mais caras do mundo são feitas de peles de animais - crocodilo, marta, chinchila...

domingo, 12 de agosto de 2012

Feliz Dia dos Pais

Quando vi essa imagem no Facebook, me lembrei de todas as vezes em que perguntei para os meus pais o que eles queriam ganhar no seu dia. "Nada", eles respondiam. Nunca entendi o que significava "nada" até me tornar mãe.
Presentear alguém que a gente ama com gravatas, meias, motosserras, cadeira do papai, etc é muito útil e legal. Mas o que eles querem mesmo é que nós, filhos,
 sejamos felizes, porque a nossa felicidade é o modo de dizer à eles "obrigado por tudo que fez por mim, pai. Obrigado por ter me orientado a ser a pessoa que sou."
Eu não poderei abraçar o meu pai no dia dele, mas ele sabe que estou com ele, em espírito, TODOS os dias.
Pai, firme aí! E só pra você saber: EU ESTOU FELIZ!!
Estando tão longe de casa, parece que essas datas se intensificam para uns e se tornam sem sentido para outros. Nunca fiz muita questão de comemorar essas datas tão comerciais. Tudo gira em torno de presentear com coisas materiais e as reuniões familiares ficam em segundo plano.
Este ano, como estou meio dona-de-casa, quis fazer um almoço especial.
Esta receita já fiz com abacaxi e laranja, com pimentão verde, amarelo, laranja e vermelho. Desta vez, tentei com vinho tinto, Invenção minha, pelo menos acho que ninguém tentou. Procurei algumas receitas pela internet e achei uma bem legal, feita pelo Edu Guedes. Não tinha todos os ingredientes, então improvisei.
Por favor, não façam o que eu fiz! HAHAHAHAHAHA  quase coloquei fogo na cozinha, parecia festa junina, com óleo e vinho explodindo pra todos os lados. Nas fotos, parece tudo bem planejado, mas não se enganem.
Vou explicando passo a passo.





Panela elétrica -  ideal para grelhados, yakisoba e ... minha Picanha Especial


Ingredientes - 600g de picanha cortadas em fatias grossas, 1 cebola cortada em rodelas grossas, 3 dentes de alho cortados em lâminas, 2 cubos de caldo de picanha, 1 taça de vinho, azeite e sal a gosto. O vinho, usei o que tinha na geladeira, comprado a alguns meses :/


Parecem bem comportados, né? Humpf! 
Eu, a cozinheira perfeita, coloquei azeite e vinho na panela QUENTE. A cozinha parecia dia de Hanabi, ou festa junina. As geladeiras, teto, mesa, EU, ficaram cheias de respingos vermelhos, parecia um mar de sangue. Então, desliguei a panela e comecei de novo. Coloquei azeite e liguei a panela. Fiz uma cama com o alho - já dourado - coloquei a carne e reguei com o vinho.


e TAMPEI  a panela.


Coloquei sal (de um lado só dos bifes) e acrescentei o caldo de picanha, dissolvido em duas colheres de água no microondas. Após dourar de um lado, virei e joguei o alho por cima. A cebola, só coloquei quando os bifes já estavam quase no ponto.


Toque final, salsinha desidratada.
A picanha ficou macia, porque foi cozida no próprio vapor e depois  que secou, o vinho deu cremosidade e caramelizou a carne. Não sei se são esses os termos, mas acho que deu pra entender. 


Salada pra completar


Olha que coisa mais fofa! O shamoji - colher para pegar arroz -  nunca mais vai ficar pendurada na panela


Pedi para os dois colocarem camiseta pra foto. Ninguém merece almoçar de cuecas no Dia dos Pais, né?


Descobri que engordar esses dois é bom demais! Estão faltando muitas pessoas na mesa - Amanda, Laís, Keity, meu pai... mas vamos comer por eles!


Ia fazer feijão, mas sobrou feijoada da janta e como desperdiçar é pecado... Não combinou muito, mas brasileiro é brasileiro, o importante é comer.


Em casa, como igual leão. Na fábrica, igual passarinho. Ah, não consigo comer em potinhos... 


É tão bom cozinhar e ouvir "ficou bom, mesmo hein?"


Sorvete de tangerina de sobremesa. Pensaram que ia ser uma torta vienense ou profiteroles? Depois de horas na cozinha, um sorvetinho de palito tá bom demais!


domingo, 5 de agosto de 2012

Tomar café, amiga!

Hello! Today I talk about my friends.
¡Hola! Hoy hablo de mis amigos.
Hello!Ngayon ko makipag-usap tungkol sa aking mga kaibigan.
こんにちは!今日は私の友人について話しています。
Olá! Hoje vou falar sobre os meus amigos.

Uma coisa tenho que admitir, infelizmente brasileiros têm preguiça de aprender outro idioma, quer dizer, não sei se é preguiça ou se acostumaram com aquele famoso "jeitinho brasileiro" e acham desnecessário aprender, afinal todo mundo tem um amigo "tradutor" e se não tiver, não tem problema, usam mímica, linguagem do Tarzan (mim, Tarzan. você, Jane) ou como meu amigo Jorge, usam a linguagem do "kore, kore".
Eu me viro no nihongo, às vezes me dá bloqueio e não adianta insistir que não entendo nada! mas na maioria das vezes, dá pra encarar uma prefeitura, um banco, correio, o chefe japonês. Quando decidi aprender japonês, tive uma motivação: não depender de tradutores maldosos, que se aproveitavam da minha ignorância. Foram três meses enterrada nos livros e dicionários e naquela época, não tinha computador em casa, então nada de internet. O fato de não termos carro, TV com canais em portugues, computador (Facebook, Orkut, MSN, Instagram, Twitter, Youtube) ajudou bastante ;P.
Aprender japones me proporcionou recompensas e me trouxe muuuuitas responsabilidades, alguns problemas e em alguns momentos, um certo arrependimento por ter estudado tanto.
Os chefes me fizeram de interprete, transmitindo ordens e broncas. Defendia os brasileiros de chefes carrascos (isso realmente me trouxe problemas...), mas graças ao meu bom trabalho (sem falsa modéstia, porque me empenhei muito) eles foram transferidos e muita gente respirou aliviada. Traduzia e simplificava os manuais. Ganhei amigos e fiz inimigos também depois que me tornei líder. Se pudesse voltar no tempo? Faria tudo de novo, pois foi uma época de aprendizagem, penosa e recompensadora.
Doze anos depois, temos carro, computador, iPad, chefes brasileiros, tradutores nas prefeituras, lojas de produtos brasileiros, milhares de sites que ensinam nihongo e que dão dicas sobre como sobreviver num país completamente diferente do nosso.
Meus companheiros de trabalho são japoneses, filipinos, peruanos e brasileiros.
Eu deveria ficar envergonhada e não honrada pelo meu chefe peruano falar comigo em portugues, às vezes em japones. Eu deveria ficar envergonhada pelo meu chefe japones falar "bom dia" e me chamar de "bonita". Eu deveria me enfiar num buraco quando meu companheiro de linha, que é filipino, falar "tomar café" quando chega a hora do intervalo, quando me chama de "amiga", ou mesmo quando me pergunta "cansada?", e quando fala "descanso" quando a máquina quebra.
Por quê? Porque eu não sei UMA palavra em tagalog. Nunca me interessei em aprender.
Porque meu chefe japones, aprendeu a falar "bonita" quando quer me pedir alguma coisa, a fazer horas extras por exemplo. Funciona, hahahahahaha
Porque meu chefe peruano acha mais simples e rápido falar em portugues do que em espanhol; porque ele anota num papel todas as palavras novas que vai aprendendo.
Eu progredi no nihongo, fiz e passei no teste de proficiencia (tudo bem que foi o nivel 4, mas foi um avanço, né?). Tive aulas com um japones, professor de literatura em uma escola particular e graças à ele, consigo ler e interpretar textos - com kanjis!! Ele me presenteou com livros, apostilas e dicionários e fiquei muito triste por ter que ir para o Brasil e abandonar os estudos...
Conheço muita gente - brasileiros - que não fazem nenhum esforço pra aprender nihongo e ainda sentem uma certa raiva de japoneses. Meu Deus do Céu! o que estão fazendo aqui?? Eu gosto e respeito o país que me acolheu. Acho meio ridículo as propagandas da tv e meio cansativo os programas - só tem comida! mas AMO as novelas, os documentários e um programa de reforma de casas.
Depois de certos acontecimentos, decidi voltar a estudar japones e inglês. Espanhol também, mas tagalog fica pra outra encarnação. Arriscarei  um Magandang umaga, magandang hapon, magandang gabi. 


Tente adivinhar, a nacionalidade de cada um aí em cima. Uma dica: todos têm em comum uma palavra que pode ser traduzida como amizade, companheirismo, solidariedade, risadas, micos, despedidas, lagrimas, saudade, alegria, estresse, Japão!


nota. As frases no topo, traduzi no Google Translate, só posso garantir a que está em portugues - por enquanto.